Em atendimento à legislação eleitoral, parte de alguns conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.


 
guilherme
programação
museu
educativo
tradução literária
cinema
publicações
bancos de dados
serviços

Mesa-Redonda



IMPRENSA PERIÓDICA E OS DEBATES SOBRE IDENTIDADES NACIONAIS: 1822 e 1922

23 de Agosto de 2022 | 14h
Com Isabel Lustosa, Jefferson Cano, Valéria dos Santos Guimarães e Tadeu Chiarelli

Realizada em parceria com a Pró-Reitoria de Extensão Universitária e Cultura da Unesp

 

O ano de 2022 marca duas das mais centrais datas da história do Brasil que remetem à questão da imaginação das identidades nacionais, para adotar o termo consagrado pelo historiador Benedict Anderson: os 200 anos da Proclamação da Independência e os 100 anos da Semana de 22. Jornais e revistas podem ser considerados como um dos principais vetores na homogeneização de uma ideia de nação ao difundirem o vernáculo em grandes extensões territoriais com informações de todo tipo, imaginários e modos de sociabilidade. E foi igualmente por meio destes veículos que os variados projetos de nação ganharam espaço, estabelecendo-se como amplas plataformas de discussão e formação de uma opinião pública.

 

A proposta deste debate é contribuir para as reflexões sobre o papel da imprensa periódica na formação da identidade nacional brasileira e problematizar os marcos das efemérides, sempre tendo como horizonte os dois períodos distintos de 1822 e 1922. Pesquisadores de diferentes áreas apresentarão aspectos destas discussões que tiveram na imprensa periódica não apenas um suporte privilegiado, mas um ator central.

 

Apresentações:

 

Em ordem cronológica, a conversa se abre com Isabel Lustosa (CHAM-UNL) na apresentação Inventando um país: imagens do Brasil e dos brasileiros na imprensa da Independência, onde ela mostrará como a imagem do Brasil sofreu violentos ataques por parte da imprensa portuguesa desde a elevação da colônia a Reino Unido. Lançando mão de jornais publicados no Rio de Janeiro entre 1821 e 1823, fontes privilegiadas para se compreender esse processo, ela ressalta como a reação brasileira se deu sob a forma de exaltação das qualidades locais, mas também de afirmação de uma identidade brasileira específica, diversa da portuguesa, reconhecedora da presença do índio e do negro na base de sua formação.

 

Em Nação e ficção na imprensa brasileira do século XIX, Jefferson Cano (UNICAMP) se dedicará a uma reflexão sobre a indefinição de limites entre os gêneros jornalísticos em circulação que favoreceram a construção de diferentes discursos mobilizados em torno da ideia de nação nas primeiras décadas do século XIX. Para ele, esta produção permite recuperar os diálogos que se estabeleceram no espaço da imprensa periódica entre diferentes sujeitos que buscavam caminhos possíveis para a construção de suas identidades, sobretudo no momento imediatamente anterior à existência de uma literatura brasileira que se pensava enquanto tal.

 

Valéria dos Santos Guimarães (UNESP) em Identidades brasileiras em debate na imprensa francesa publicada no Brasil jogará luz sobre as repercussões das discussões acerca da identidade nacional brasileira em revistas e jornais escritos em francês publicados no Rio de Janeiro e em São Paulo na passagem do século XIX-XX. Representações textuais e visuais de concepções de nação ou de regimes políticos (monarquia ou república), além de outros temas caros à constituição de uma identidade brasileira, como a questão da mestiçagem, eram recorrentes nestas folhas, sempre em diálogo com a imprensa local e com amplo engajamento de brasileiros. Antes objeto mais restrito aos estudos sobre grupos imigrantes, esta imprensa era também muito presente nas polêmicas locais.


Para finalizar a discussão, em A inauguração do Brasil: "raça" e identidade nacional nas crônicas de Menotti del Picchia no jornal Correio Paulistano, Tadeu Chiarelli (USP) analisará a pintura A Invenção do Brasil (1923) de Menotti Del Picchia, uma alegoria do descobrimento, que será cotejada com os textos do mesmo autor publicados no jornal Correio Paulistano, nos anos 1920. O propósito é conferir se os valores expressos na referida pintura sobre raça e identidade nacional se mantêm no pensamento do intelectual durante aquela década.

 

A atividade será realizada no Anexo da Casa Guilherme de Almeida. Endereço: Rua Cardoso de Almeida, 1943 – Perdizes/SP.

 

Para realizar a sua inscrição, clique aqui!

 

Isabel Lustosa é investigadora do Centro de Humanidades (CHAM) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.
Latteshttp://lattes.cnpq.br/2746589720144311

 

Jefferson Cano é professor de História Literária da Faculdade e no Programa de Pós-Graduação em Letras do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da UNICAMP
Lattes: http://lattes.cnpq.br/7414468504064597

 

Valéria dos Santos Guimarães é professora de História do Brasil Republicano (FCHS) e nos Programas de Pós-Graduação em História (FCHS) e Letras (IBILCE) da UNESP
Latteshttp://lattes.cnpq.br/5301120161428169

 

Tadeu Chiarelli é professor de História da Arte da Faculdade e no Programa de Pós-Graduação em Artes Plásticas da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da USP
Lattes: http://lattes.cnpq.br/4761842752933388

 

 

voltar
HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DO MUSEU
Agendamento de visita (grupos): 55 11 3672-1391 | 3868-4128
Visitação: Terça a domingo, das 10h às 18h

CASA GUILHERME DE ALMEIDA
CENTRO DE ESTUDOS DE TRADUÇÃO LITERÁRIA

55 11 3673-1883 | 3803-8525 | contato@casaguilhermedealmeida.org.br
Museu: R. Macapá, 187 - Perdizes | CEP 01251-080 | São Paulo
Anexo: R. Cardoso de Almeida, 1943 | CEP 01251-001 | São Paulo

MAPA DO SITE
Governo do Estado de SP

Este site utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.
Consulte sobre os Cookies e a Política de Privacidade para obter mais informações.

ACEITAR